Cefaleias (dores de cabeça)

Autor: Pedro Namora; Salete Gomez

Última atualização: 2016/02/09

Palavras-chave: Cefaleia, Cefaleia secundária, Cefaleia de tensão, Enxaqueca, Cefaleia em salva



Resumo


Cefaleia é o mesmo que dor de cabeça. É um sintoma muito comum, que leva frequentemente as pessoas ao médico de família ou ao serviço de urgência.
Podem ser primárias, quando não estão associadas a nenhum problema de saúde ou secundárias, se forem causadas por uma doença.
São diagnosticadas com base nos sintomas. Raramente é necessário fazer exames.
É muito importante conhecer bem os sinais de alarme que o devem levar ao médico!




Cefaleias


Cefaleias é o termo médico para dores de cabeça.

Quantos tipos de cefaleia existem?


As dores de cabeça podem ser divididas em dois grandes grupos:

  • Primárias: são as mais frequentes e são benignas, pois não têm por base nenhuma doença (por exemplo cefaleia de tensão, enxaqueca e cefaleia em salva).
  • Secundárias: são raras e podem ser causadas por um traumatismo craniano ou por uma doença como a meningite, hipertensão arterial, tumor cerebral, acidente vascular cerebral (AVC), entre outras.



Quais os sintomas das cefaleias primárias?


Cefaleia de tensão

Cefaleia de tensão (a mais comum):

Dor ligeira a moderada, em pressão, aperto ou capacete, habitualmente dos dois lados da cabeça e pescoço. Piora ao longo do dia, mas não agrava com os esforços. É causada pelo stress e cansaço.


Enxaqueca (a segunda mais comum):

Enxaqueca
Dor moderada a intensa, pulsátil, usualmente afeta apenas um lado da cabeça. Pode ter uma duração de 4 horas a 3 dias e agrava com as atividades do dia a dia.
Pode ser acompanhada por náuseas e vómitos, diminuição da tolerância à luz (fotofobia), ao som (fonofobia) e a cheiros intensos (osmofobia).
Pode ocorrer associada a aura, que consiste em sintomas como manchas negras ou pontos luminosos na visão, sensação de formigueiros ou fala arrastada. Geralmente ocorrem antes da dor de cabeça e não duram mais de uma hora.
Pode ser precipitada por ansiedade, poucas horas de sono, certos alimentos como leite, queijo, chocolate, laranjas e pelo período menstrual.

Cefaleia em salva

Cefaleia em salva (a mais rara):

Dor muito intensa, excruciante, de um lado da cabeça, na maior parte das vezes na região atrás dos olhos. Dura entre 15 minutos a 3 horas e ocorre várias vezes por dia (até 8 vezes). Pode estar associada a lacrimejo, pingo no nariz ou nariz entupido, queda de uma pálpebra superior (ptose) e suores. É uma dor de cabeça tão forte que pode levar as pessoas ao suicídio.


Como são diagnosticadas?


Com base nas características da dor e dos sintomas que a acompanham. Raramente é necessário fazer exames, a não ser que a cefaleia tenha características que sugiram gravidade.

Quando é que a cefaleia pode ser grave?


Quando tiver algum dos seguintes sinais de alarme:

  • Início súbito e com grande intensidade → pode indicar uma hemorragia cerebral.
  • Primeira cefaleia depois dos 50 anos → pode ser uma inflamação da artéria temporal ou um tumor cerebral.
  • Agravamento das caraterísticas habituais da dor (mais intensa, mais frequente ou deixa de responder à medicação) → implica uma investigação complementar, pelo que deve consultar o seu médico.
  • Associada a sinais neurológicos, como perda de força de um braço e/ou perna, desvio da boca para um lado → pode ser um AVC.
  • Associada a febre, mal estar geral, manchas vermelhas na pele e rigidez da nuca → sugerem meningite.
  • Se piora quando está deitado, acorda-o durante a noite ou melhora depois de vomitar → pode indicar aumento da pressão intracraniana causada, por exemplo, por um tumor.
  • Se tiver início depois de um esforço físico como exercício ou relações sexuais → aponta para uma hemorragia cerebral.
  • Nova cefaleia em pessoas com cancro ou vírus da imunodeficiência humana adquirida (VIH) → pode ser uma infeção ou um cancro.

Se tiver uma dor de cabeça com estas características deve consultar o seu médico!


Conclusão


A cefaleia é uma dor muito comum, por vezes com grande sofrimento dos doentes.
A boa notícia é que só raramente está associada a uma doença grave!


Referências recomendadas


Sociedade Portuguesa de Cefaleias

Portal da saúde

Hainer B, Matheson E. Approach to Acute Headache in Adults. Am Fam Physician. 2013;87(10):682-7.


Alt text



Banner.jpg