Hepatite A

Autor: Diana Pinto, Raquel Moreira

Última atualização: 2017/04/04

Palavras-chave: Hepatite A, Prevenção Primária, Vacina



Resumo


A Hepatite A é uma infeção viral auto-limitada, contagiosa e transmitida sobretudo por via fecal-oral através da ingestão de alimentos ou águas contaminados ou por contato direto pessoa-pessoa. Uma vez infetada, a pessoa desenvolve imunidade para toda a vida.
A apresentação clínica pode ser muito variada, desde a ausência de sintomas, a sintomas semelhantes a um quadro gripal, até formas fulminantes de doença em casos muito raros.
O diagnóstico da hepatite A é feito por meio da deteção de anticorpos contra o vírus da Hepatite A no sangue.
A vacinação constitui um meio de profilaxia eficaz, através da administração de duas doses da vacina.




Hepatite A


VHA.jpg

A Hepatite A é uma doença infeciosa viral aguda, causada por um vírus ARN do gênero Hepatovirus da família Picornaviridae, chamado de vírus da hepatite A.
A incidência de hepatite A está intimamente relacionada com condições socioeconómicas, pelo que os países subdesenvolvidos (África, América do Sul, regiões da Ásia e da Europa de Leste) constituem áreas altamente endémicas. Nos países desenvolvidos a infeção ocorre episodicamente. Em Portugal, como na Europa Ocidental, tem-se verificado nos últimos anos uma tendência decrescente da prevalência da Hepatite A (96,5% em 1981 para 35,0% em 2010), sendo considerado atualmente um país de baixa endemicidade.
Dados recentes da Direção Geral de Saúde (DGS) mostram que entre 1 de Janeiro a 29 de Março de 2017, foram notificados 115 casos de hepatite em Portugal, sendo a maioria reportados em adultos jovens do sexo masculino.

Formas de transmissão


A forma mais comum é por via fecal-oral e acontece quando os alimentos ou água são contaminados por material fecal (fezes humanas). Também é possível o contágio por contacto inter-humano.
A transmissão nas relações sexuais pode ocorrer quando há contacto íntimo e sobretudo se houver contacto com material fecal como nas relações anais. É mais comum se associada a surtos e em homens que têm relações sexuais com outros homens.
Outras formas de transmissão, como a via percutânea ou por transfusão são praticamente nulas, dado o curto período de permanência do vírus no sangue.
O período de transmissão máximo ocorre desde 2 semanas antes do início dos sintomas até ao final da 2ª semana de doença.

Período de incubação e sintomas


O período de incubação para a Hepatite A varia entre 15-50 dias, com uma média de cerca de 4 semanas.
Pode ser assintomática, sobretudo nas crianças, ou sintomática com ou sem icterícia - coloração amarela das escleróticas e pele. O quadro clínico é mais intenso à medida que aumenta a idade do paciente e na presença de outras doenças (doenças crónicas do fígado, cirrose ou hepatite B ou C crónicas).
Os sintomas, quando presentes surgem entre a 2ª e 7ª semana após infeção e caracterizam-se por falta de apetite, náuseas, vómitos, cansaço, dores musculares e nas articulações, dores de cabeça, tosse e febre (entre 38 e 39ºC). A fase de icterícia surge cerca de 2 a 15 dias após os sintomas e normalmente dura em média uma semana, sendo percebida pela cor da pele amarela, urina escura e por aumento das dimensões do fígado com dor e desconforto da região superior direita do abdómen.
A recuperação dos sintomas e normalização dos valores laboratoriais pode ser esperada entre 1 a 2 meses.
A forma fulminante, apesar de rara (menos que 1% dos casos), apresenta mau prognóstico.

Fatores de risco


  • Pessoas sem contato prévio ou não vacinadas que viajem para países com elevada prevalência de VHA;
  • Ingestão de alimentos ou água contaminados;
  • Práticas homossexuais (sobretudo homem com homem) de sexo anal e oro-anal;
  • Deficiência de fatores de coagulação;
  • Utilizadores de drogas.



Diagnóstico


O diagnóstico de infeção recente faz-se pela determinação numa amostra de sangue de anticorpos anti-VHA IgM, detetados entre 10-16 semanas até 6 meses após contágio. A presença de anti-VHA IgG traduz imunidade protetora à reinfeção.

Anti-VHA IgM
Anti-VHA IgG
Interpretação
+
-
Infeção aguda
+
+
Infeção recente
-
+
Infeção antiga ou vacinação
-
-
Não imune, sem contacto prévio com o vírus



Tratamento


Não existe tratamento específico para a hepatite A.

Prevenção


Vaccination-1215279 1920.jpg

Em Portugal é comercializada uma vacina específica contra o vírus da Hepatite A (marcas: Havrix ®, Vaqta ®), para administração apenas após os 12 meses de idade. Trata-se de uma vacina de vírus inativado, que confere proteção duradoura e não interfere com as outras vacinas. Deve ser administrada em duas doses, com intervalo de 6 meses a 1 ano. Os anticorpos contra o vírus da Hepatite A persistem pelo menos 10 anos após a segunda dose.
Existe também uma vacina combinada que contém também o vírus da Hepatite B inativo, administrada em 3 doses, com a 2ª dose a ser feita 1 mês após a primeira e a terceira aos 6 meses.

Recomendações para profilaxia


Em contexto de consulta do Viajante:

  • Imunoglobulina humana;
  • Vacina contra Vírus da Hepatite A


Em contexto de surto epidémico, a pessoas com exposição recente ao VHA:

  • Gratuita
  • Vacina contra Vírus da Hepatite A (até 2 semanas após exposição);
  • Imunoglobulina (se > 40 anos, crianças <12 meses, compromisso imunitário, doença hepática crónica ou contraindicação à vacina)


Outras medidas de prevenção:

  • Deteção precoce de indivíduos infetados e notificar como doença de declaração obrigatória;
  • Evitar o contato com pessoas infetadas sobretudo durante o período de maior risco de infeção:
    • lavar a loiça a temperaturas elevadas,
    • não utilizar a mesma sanita,
    • evitar relações sexuais sobretudo de tipo oro-anal, e usar preservativo;
  • Eliminação da transmissão por via fecal-oral sobretudo se viajar para países de alta prevalência:
    • higiene pessoal nomeadamente lavagem das mãos,
    • cozinhar os alimentos (temperaturas ≥98ºC durante pelo menos 1 minuto tornam o vírus inativo),
    • evitar alimentos crus e mariscos,
    • utilizar água potável,
    • saneamento básico;
  • Evicção escolar/ local de trabalho se estiver durante as primeiras 2ª semanas até 1 mês após início da icterícia.



Conclusão


Portugal é um país com baixa prevalência de Hepatite A.
Existe uma vacina específica contra o VHA, eficaz e que deve ser administrada em grupos de risco.
A melhor prevenção passa por impedir a contaminação alimentar com material fecal potencialmente infetado.

Referências recomendadas



Alt text

Banner.jpg