Alimentação no primeiro ano de vida

Autor: Mafalda Ferreira da Silva, Teresa Barão

Última atualização: 2016/04/22

Palavras-chave: Diversificação alimentar, Alimentação complementar, Alimentação no primeiro ano de vida, Lactentes



Resumo


A alimentação do lactente é um dos factores mais importantes para o seu normal desenvolvimento.
A alimentação complementar (ou alimentação diversificada) consiste na transição entre o aleitamento (materno ou adaptado) e a alimentação familiar. Esta deve ser gradual e adaptada a cada criança.
A consistência dos alimentos deve começar por ser uma papa homogénea e evoluir para mais granulosa, até que fique com pequenos fragmentos.
É importante encorajar a criança a provar os novos alimentos.



Alimentação no primeiro ano de vida


O leite materno é o melhor alimento a dar às crianças nos primeiros meses de vida.
A diversificação alimentar, deve ter início entre os 4 e os 6 meses. Esta não deve ser iniciada após os 8 meses, pois nesta idade o leite não é suficiente para suprir as necessidades nutricionais.
Um bebé amamentado exclusivamente com leite materno e com bom desenvolvimento, deverá continuar a sua alimentação com leite materno em exclusividade até aos 6 meses.

Regras importantes


O leite materno é o melhor alimento para o bebé

Com o início da diversificação alimentar, não podemos esquecer:

  • Continuar a amamentar
  • Beber água entre as refeições
  • Não adicionar sal, açúcar ou mel na comida
  • Evitar comprar preparados de fruta pré-confeccionados: contêm açúcares, sal, concentrado de sumo, farinhas (entre outros) com sabor mais apurado, podendo levar o bebé a recusar a fruta natural
  • Espaçar a introdução de novos alimentos, permitindo testar intolerâncias ou alergias (Regra dos 3 dias)

A introdução dos diferentes alimentos não pode ser rígida e deve ter em consideração factores sociais e culturais (costumes de cada região, questões socioeconómicas, temperamento da criança, disponibilidade do agregado familiar e ainda particularidades do lactente).

Como devo introduzir novos alimentos?


4 – 6 meses


  • Papa – Inicia-se por uma papa sem glúten (arroz ou milho). Comece por substituir uma das refeições de leite por uma refeição de papa (almoço) e mantenha as restantes refeições de leite.
    • As papas lácteas preparam-se com água, e as não-lácteas preparam-se com leite
    • Leia atentamente os rótulos das embalagens
    • Esteja atento às várias marcas de papas no mercado, muitas vezes pode encontrá-las a preços mais acessíveis nos supermercados.


  • Sopa de legumes – inicialmente devem ser confecionadas no momento que vão ser consumidas. Posteriormente, poderá preparar o suficiente para dois dias.
    • Comece por puré de batata e cenoura.
    • No final da cozedura, no prato, adicione uma colher de café de azeite.
      Baby-84686 1920.jpg
    • Introduza um novo legume com um intervalo de 3 dias, (abóbora, cebola, alho francês, couve-flor, feijão verde, etc.) - espaçar a introdução de novos alimentos permite testar intolerâncias ou alergias
    • Inicia-se a sopa apenas numa refeição (almoço), passando a papa para uma das outras refeições (jantar).
    • Em bebés com peso a mais, iniciamos a diversificação aos 6 meses, com a sopa e posteriormente fruta, sem ser propriamente necessário introduzir as papas.


  • Fruta natural – como sobremesa, depois da sopa.
    • As primeiras frutas deverão ser: maçã, pera e banana (cruas ou cozidas, maduras, bem lavadas, descascadas e trituradas).
    • Evite os boiões de fruta pré-preparados: descascar uma peça de fruta e passar na varinha mágica não demora um tempo significativo e é mais saudável.
    • Frutas como kiwi, morangos, pêssego e manga, por serem mais alergénicos, deverão ser introduzidos depois dos 12 meses.


6 - 8 meses


  • Manter a amamentação ou, em alternativa, passa a leite de transição 2.


  • Sopa com carne
    • As carnes devem ser magras e limpas de pele e gordura (frango, coelho ou peru).
      Carrots-482354 1920.jpg
    • Na primeira semana, pode cozer a carne na sopa, retirando-a no final da confeção, para que o bebé se habitue ao seu sabor. Se não houver intolerância, no final dessa semana, pode começar a triturar a carne na sopa (4g/Kg/dia).
    • Inicialmente, deve alternar entre a sopa com carne e sopa sem carne (ambas seguidas de fruta).
    • A partir dos 8 meses, a sopa com carne pode ser dada ao almoço e também ao jantar (ATENÇÃO, se optar por dar sopa de carne ao almoço e ao jantar, deve dividir a quantidade diária recomendada de carne pelas duas).


  • Papas com glúten – Nesta altura deve ser introduzido o glúten na alimentação.
    • O glúten é uma proteína que existe em alguns cereais (trigo, centeio, aveia e cevada)
    • A sua introdução muito precoce ou muito tardia pode originar doença intestinais.
    • Introduzir na alimentação outros alimentos contendo glúten (farinha de pau, açordas, etc).


8 - 10 meses


  • Gema de ovo – começa por introduzi-la na sopa, em substituição da carne.
    • A clara do ovo não deve ser dada antes do 1º ano de vida, de forma a prevenir alergias.


  • Iogurtes
    • O iogurte natural sem aditivos é melhor opção (sem açúcar, aroma ou cremosos).
    • Uma vez por dia, 2 a 3 vezes por semana.


10 - 12 meses


  • Peixe – A partir dos 10 meses, caso não haja história de alergia familiar, introduz-se também o peixe na sopa do bebé, em substituição da carne.
    • As melhores opções serão a pescada, o linguado, a marmota, a solha e a cavala (fresco ou ultracongelado).
    • O bebé deve comer sopa de carne 4 vezes por semana e sopa de peixe 3.


10 - 12 meses


  • A partir do 11º mês introduzem-se as leguminosas, duas vezes por semana.


  • Com esta idade, a criança já consegue mastigar, por isso pode introduzir o arroz, a massa e o pão.


Após os 12 meses


  • A partir dos 12 meses de idade não há “restrições alimentares” (exceto se indicadas pelo médico). A criança passará para a alimentação normal acompanhando o resto da família. É um momento ótimo para toda a família ter uma alimentação saudável.
  • O açúcar e o sal não devem ser adicionados aos alimentos da criança. Esta é uma boa oportunidade de reduzir a quantidade de açúcar e sal na alimentação de toda a casa.
  • É altura de pensar em parar a amamentação (que no entanto pode prolongar até aos 2 anos), passando para leite adaptado, leite de transição 3 (mais rico em ferro) até aos 3 anos de vida. O leite de vaca ultrapasteurizado é uma alternativa. Os leites de crescimento devem ser evitados, pois são açucarados.
  • Os alimentos mais alergénicos que ficaram para o final podem agora começar a ser introduzidos: citrinos, pêssego, morango, kiwi, manga, carne de porco, espinafres e nabo. Isto, sem esquecer a Regra dos 3 dias (entre cada novo alimento adicionado, devemos esperar 3 dias antes de introduzir um outo, para testar intolerâncias)


Quadro resumo da diversificação alimentar no primeiro ano de vida


Conclusão


Estas recomendações destinam-se a recém-nascidos e lactentes de termo e sem patologia conhecida.
A diversificação alimentar é fundamental no normal desenvolvimento do seu bebé.
Se tiver alguma dificuldade ou dúvida neste processo, deve aconselhar-se junto do seu médico ou enfermeiro.

Referências recomendadas



Alt text

Banner.jpg